Saúde e Bem estar

Telômeros: A chave da juventude

A Gente explica para você o que são, e como atuam os telômeros.

Bruna Taiski
13/08/20 às 16h00

Os holofotes das pesquisas científicas sobre a juventude estão voltados para os telômeros - sequências repetitivas de DNA que existem nas extremidades dos cromossomos-. Nas palavras da bióloga Elizabeth Blackburn - ganhadora do Prêmio Nobel de fisiologia/medicina em 2009 e pioneira nos estudos sobre os telômeros – estas estruturas são responsáveis pela longevidade e pelo envelhecimento. “Se você tem um par de sapatos com cadarço, vai perceber que, no fim deste cadarço, há um acabamento de plástico ou metal para protegê-lo, para que não se desgaste rapidamente. Pois imagine o cadarço como sendo o cromossomo, que carrega a nossa informação genética – e o telômero é essa pontinha que serve de proteção! Quando se desgasta, o material genético fica desprotegido e as células não podem se renovar apropriadamente”.

Parece que estamos falando grego e você não entendeu por que os telômeros são importantes? A Gente explica. Para você ter uma vida longa e saudável, seus telômeros precisam permanecer organizados e longos, assim o processo biológico de renovação celular ocorre normalmente. Inúmeros estudos científicos têm mostrado que telômeros longos estão associados com uma idade biológica ótima.

A pesquisadora aponta que recuperar essas estruturas auxilia a retardar o envelhecimento. Mudanças no estilo de vida ajudam a manter a saúde dos telômeros, como fazer exercício e adotar uma dieta saudável. No entanto, é preciso ficar atento. Nosso estilo de vida também tem papel preponderante, como sedentarismo, dieta imprópria, tabagismo, alcoolismo, uso de drogas diversas, excesso de stress – todos estes são fatores que envelhecem a olhos vistos, e o que não vemos são os telômeros, que vão ficando cada vez mais curtos.

“Nós descobrimos uma relação direta entre o volume de estresse, violência, ou bullying a que alguém é submetido e o encurtamento e desgaste dos telômeros. Esse processo varia de acordo com o indivíduo e há aqueles mais resistentes ao estresse, mas, à medida que os telômeros se gastam, mais as pessoas se tornam propensas a entrar para grupos de risco de diversas doenças”.

“Mas, a partir do momento em que a ansiedade e o estresse são resolvidos e a pessoa se sente melhor, os telômeros eventualmente retornam ao seu comprimento normal. Esse é um importante argumento a favor da identificação e do tratamento da ansiedade”. Disse em entrevista à PBS (Rádio Pública Americana).

A atenção também está na balança. As pessoas obesas têm telômeros mais curtos que as magras. A boa notícia é que os obesos que perdem peso conseguem alongar os telômeros, quanto mais massa gorda se perde mais compridos eles ficam. O mesmo ocorre em relação à malhação: quanto mais exercício físico as pessoas praticam, mais se alongam os seus telômeros.

Telômeros são sequências repetitivas de DNA que existem nas extremidades dos cromossomos

Por mais tempo

Sem agulhas, sem dores ou medicação. Para Elizabeth, aumentar os telômeros são simples mudanças de hábitos, que refletem na saúde como um todo. Os médicos não pedem para dormirmos mais horas à toa, viu? Confira algumas dicas dadas por ela em seu livro “O segredo está nos telômeros”:

1) Dormir no mínimo sete horas toda noite.

2) Exercitar-se moderadamente (corrida leve ou caminhada acelerada) três vezes por semana, por pelo menos 45 minutos – lembrando que, quanto maior o estresse, mais relevante é o papel do exercício. Sedentários já começam a se beneficiar de 10 a 15 minutos diários de exercício.

3) Diminuir o consumo de açúcar – em 2014, um estudo feito com 5 mil americanos que tomavam mais de meio litro de refrigerante por dia mostrou que eles tinham 4,6 anos a mais de idade biológica.

4) Adotar dieta rica em ômega 3, grãos, verduras e frutas, descartando alimentos processados e refrigerantes.

5) Meditar, um antídoto eficaz contra ansiedade e depressão. Pesquisa com cuidadores de parentes com demência, que praticaram meditação 12 minutos por dia durante dois meses, mostrou que eles tiveram um aumento de 43% da telomerase (enzima que repara os telômeros e impede que encurtem, ou que se gastem, permitindo assim que continuem a se multiplicar).

O envelhecimento é um processo natural da vida. Se você busca ter longevidade é preciso viver bem, viver mais e com saúde! É pensar em movimento e fazer com que o corpo responda com vitalidade. Afinal, não existe idade para parar.

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
ÚLTIMAS EM SAÚDE E BEM ESTAR
RARA Gente - A mais tradicional revista de Três Lagoas
Editor responsável:
Ivete Binda Mendonça
agitta@agitta.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2020 - Grupo Agitta de Comunicação.