Saúde e Bem estar

Nuvem de gafanhotos se aproxima do Brasil: entenda

Fenômeno pode causar sérios danos às plantações

Bruna Taiski
25/06/20 às 13h32
Nuvem de gafanhotos ataca lavouras na Argentina — Foto: Divulgação/Governo da Província de Córdoba.

Uma enorme nuvem de gafanhotos está se aproximando do Brasil, mas ela veio da Argentina. Pesquisadores e autoridades brasileiras estão preocupadas, pois essa praga é pouco conhecida, porém, pode trazer diversos prejuízos. Antes da Argentina, ela passou pelo Paraguai, destruindo plantações de milho.

Acredita-se que a enorme nuvem de gafanhotos irá seguir para o Uruguai e depois, poderá atingir o oeste do Rio Grande do Sul. De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, está sendo feito monitoramento por especialistas argentinos.

O Ministério da Agricultura da Argentina diz que os gafanhotos são da espécie Schistocerca cancellata. Este espécie já trouxe problemas durante a década de 1960, sendo avistados novamente em 2015, se repetindo nos anos seguintes de 2017 e 2019.

Como começou?

O que se sabe é que no dia 11 de maio, o Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Agroalimentar (Senasa) emitiu o primeiro alerta, após ser avisado por autoridades paraguaias.

Porém, a nuvem de gafanhotos não ficou por lá muito tempo, pois no dia 21 daquele mês os gafanhotos entraram na Argentina, mas retornaram ao Paraguai logo na sequência. Ficaram uma semana no território paraguaio e retornaram ao argentino. Sendo que até o momento, as províncias de Santa Fé, Formosa e Chaco foram as regiões mais atingidas da Argentina.

Vale lembrar que os gafanhotos não fazem mal aos seres humanos ou animais, nem transmitem doenças. Eles apenas se alimentam de materiais vegetais. Porém, o problema é com a agricultura, que pode sofrer devido ao surgimento desses insetos. A pecuária também pode sofrer prejuízo, pois uma nuvem enorme de gafanhotos pode se alimentar do equivalente para 2 mil vacas ou 350 mil pessoas, causando realmente um desolamento de recursos.

Os especialistas ainda não conseguem explicar o motivo dessa última nuvem de gafanhotos. Algumas das possibilidades são os altos níveis de temperatura, chuvas e ventos que auxiliam a reprodução dos gafanhotos. Mas vale lembrar que a China avisou sobre uma possível invasão de gafanhotos em março desse ano. 

Resumo

1. Uma nuvem de gafanhotos, como as da espécie brasileira Rhammatocerus schistocercoides, começa a se
formar quando a população cresce e precisa buscar comida em outras áreas. Esse aumento no número de
insetos nascidos depende do clima na hora da reprodução.

2. Depois de um mês, os ovos eclodem e dão origem a gafanhotos jovens, chamados de ninfas. Seu prato
preferido são vegetais como o arroz, o milho e a cana. A essa altura, a busca por comida é feita por terra:
como os gafanhotos ainda não têm asas, eles só pulam, movendo-se até 100 metros por dia.

3. Cinco meses após o nascimento, o gafanhoto já tem asas e mede de 5 a 7 centímetros. Se a concentração
de insetos numa área for grande, eles se juntam em bandos e viajam em nuvens voadoras em busca de
alimentos. Em suas jornadas, o Rhammatocerus chega a até 100 metros de altura e se desloca dezenas de
quilômetros por dia.


4. No ataque às plantações, o gafanhoto brasileiro é um gourmet exigente: ele ataca apenas a base das
espigas das plantas, porque é nessa região que se concentra a seiva bruta, o alimento rico em açúcares que
vai nutrir os frutos. Depois de destruir a plantação, os insetos saem voando em busca de mais comida em
outro lugar.


5. A única saída para combater as nuvens de gafanhotos é aplicar inseticidas nas plantações. Se nada for
feito, a infestação acaba naturalmente no final do ciclo de vida do gafanhoto, que dura um ano e se encerra
depois da reprodução.

Espécie: popularmente como gafanhoto migratório sul-americano (Schistocerca cancellata);

Quantidade: estimativa de 40 milhões de animais em um quilômetro quadrado de área;

Deslocamento: 100 a 150 km em um dia;

Alimentação: São vegetais. Podem consumir pastagens para até 2 mil vacas ou para uma população de 350 mil pessoas em um dia;

De onde surgiu? Relata-se que esta nuvem específica seja oriunda bioma do Chaco, no Paraguai, região com condições climáticas favoráveis ao desenvolvimento da espécie e vem se deslocando por províncias do nordeste da Argentina, em direção ao sul.

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
ÚLTIMAS EM SAÚDE E BEM ESTAR
RARA Gente - A mais tradicional revista de Três Lagoas
Editor responsável:
Ivete Binda Mendonça
agitta@agitta.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2020 - Grupo Agitta de Comunicação.