Saúde e Bem estar

PÓS COVID - Quanto mais individualizada, melhor a avaliação

A reabilitação da covid-19 envolve uma análise das sequelas de cada paciente e uma série de exercícios terapêuticos

Rara Gente - Da redação
31/12/21 às 13h48
Juliana Silvestre Mendes, fisioterapeuta

A pandemia do Coronavírus, decretada pela OMS - Organização Mundial da Saúde há quase dois anos, criou interrupções significativas na vida e no trabalho de todas as pessoas, e de acordo com a OMS, a Covid-19 é uma doença infecciosa causada pelo novo Coronavírus, o SARS-CoV-2.

O vírus foi descoberto na cidade de Wuhan, província de Hubei - China, em Dezembro de 2019, em lavados broncoalveolar de pacientes com pneumonia de causa desconhecida. 

Tendo como principais sintomas: febre, cansaço e tosse seca, sendo que a doença também pode causar dores de cabeça, de garganta, congestão nasal, conjuntivite, diarreia e perda de paladar ou olfato, e pode afetar em sua forma mais gravosa, o sistema neurológico, dermatológico ou causar transtornos psiquiátricos.

No Brasil, o primeiro caso confirmado, aconteceu na cidade de São Paulo - SP, em 26 de fevereiro de 2020. Tratava-se de um homem de 61 anos que voltava de viagem à Itália. Em Três Lagoas - MS, a confirmação do primeiro caso ocorreu no início de abril de 2020, em um homem de 53 anos, sem histórico de viagem.

Apesar do Coronavírus causar sintomas brandos na maioria das pessoas, há uma parcela que encara a versão mais grave da doença e precisa de internação hospitalar. Para esses pacientes, o problema não acaba quando o vírus sai do organismo, é necessário um minucioso trabalho de reabilitação pós-Covid-19.

A fim de limitar a gravidade das sequelas decorrente da Covid-19, é essencial a atuação do Fisioterapeuta desde a internação hospitalar - o que promove uma recuperação funcional mais rápida e acelera o processo de alta. A equipe, durante a pandemia, reaprendeu estratégias de oxigenioterapia, aplicação de VNI - Ventilação Não Invasiva e utilização da posição prona, como formas de combate ao Coronavírus.

Além disso, a reabilitação persiste, pois cerca de 60% dos pacientes têm algum tipo de sequela, a chamada Síndrome Pós-Covid, como mostra um recente estudo da USP - Universidade de São Paulo. As sequelas para esses pacientes, variam desde falta de ar até a perda de movimentos. A reabilitação envolve uma série de exercícios terapêuticos para auxiliar nessa fase da doença. Antes de chegar a um setor de Fisioterapia, o paciente deve passar pela avaliação médica, pois, um paciente com comprometimentos importantes, poderá chegar ao setor com ressalvas, para utilização de cargas ou de bicicleta ergométrica, por exemplo.

Quando o paciente chega para a reabilitação, o Fisioterapeuta realiza uma primeira consulta para entender o caso e a necessidade do tratamento. É feito um levantamento de quais foram as principais sequelas, além de testes de força muscular e da capacidade pulmonar. A partir daí, é traçado um Programa de Reabilitação individual específico.

Os pacientes que apresentaram quaisquer dos sintomas de Covid-19, devem procurar as Unidades de Saúde - UPA, ESF’s ou Pronto Socorro de hospitais privados. Para a reabilitação fisioterapêutica, é importante o acompanhamento de um profissional com experiência na área.

(*) Juliana Silvestre Mendes, fisioterapeuta

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
ÚLTIMAS EM SAÚDE E BEM ESTAR
RARA Gente - A mais tradicional revista de Três Lagoas
Editor responsável:
Ivete Binda Mendonça
agitta@agitta.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2022 - Grupo Agitta de Comunicação.