Saúde e Bem estar

PÓS COVID - A importância da reabilitação e da fisioterapia

As atividades propostas para o tratamento envolvem o uso de aparelhos específicos para trabalhar as musculaturas respiratórias, aliado aos exercícios físicos leves

Rara Gente - Da redação
01/01/22 às 13h06
Tancredo Araújo, fisioterapeuta, especialista em reabilitação e RPG

A fisioterapia tem atuado na linha de frente nos tratamentos da covid-19, desde o desenvolvimento da doença ao pós-covid. Assim que o paciente é avaliado de maneira global pela equipe médica, é encaminhado para a fisioterapia, e com base no estado clínico, é estabelecido um protocolo para o tratamento.

Entre as sequelas de pacientes que vivenciaram as limitações físicas, cognitivas ou psíquicas após a Covid-19 estão: fraqueza muscular e respiratória, fadigas, alterações de sensibilidades, lentificação do raciocínio e dos movimentos, estresse pós-traumático, entre outras complicações.

É importante ressaltar que essas sequelas independem da idade. Segundo a iniciativa do Reino Unido, Coro-Nerve Group - grupo de pesquisadores que investiga as características neurológicas da Covid-19, no prontuário médico dos pacientes de Pós-Covid que deram entrada em hospitais, ambulatórios e consultórios, foi possível notar sintomas e quadros avançados de acidentes vasculares, hemorragias intracerebrais e trombose no seio venoso.

Sabemos que os portadores de doenças cardiovasculares infectados pelo coronavírus são um grupo de risco que merecem um acompanhamento de perto. Caso estes não recebam a orientação adequada podem desencadear alterações graves, e isto ocorre em consequência do estado inflamatório ocasionado pelo vírus - levando à instabilidades vasculares e miocárdicas.

A contribuição da fisioterapia nos tratamentos desta doença tem sido fundamental para a reabilitação destes pacientes e outros com complicações cardiorrespiratórias, fraquezas musculares, neurológicas e etc. As atividades propostas para o tratamento envolvem o uso de aparelhos específicos para trabalhar as musculaturas respiratórias, aliado aos exercícios físicos leves. Se o caso for grave poderá ter um protocolo com movimentos articulares, alongamentos e estimulação elétrica neuromuscular - FES.

Desse modo, é importante lembrar aos familiares dos pacientes acometidos pela doença, que é preciso buscar, e ter acesso às informações necessárias, e assim detectar os sintomas nos primeiros sinais, para que haja o encaminhamento à uma equipe multidisciplinar, não só para fisioterapeutas, mas a outros profissionais de saúde como: fonoudiólogos, neurologistas, cardiovasculares, entre outros.

Por fim, é necessário frisar, que a classe médica em geral e cientifica, trabalham com evidências, não sendo possível estabelecer um diagnóstico e um tratamento concreto para a Covid-19, pois, apesar de lidarmos com a doença há quase dois anos, ela ainda encontra-se em objeto de estudo.

(*) Tancredo Araújo, fisioterapeuta, especialista em reabilitação e RPG

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
ÚLTIMAS EM SAÚDE E BEM ESTAR
RARA Gente - A mais tradicional revista de Três Lagoas
Editor responsável:
Ivete Binda Mendonça
agitta@agitta.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2022 - Grupo Agitta de Comunicação.