Lifestyle

Onde está Beatriz? Família procura por idosa há oito anos

Beatriz Winck desapareceu na Basílica de Aparecida em 2012

Redação
23/10/20 às 08h32
Fotografia de Beatriz Winck quando desapareceu em 2012 — Foto: Arquivo Pessoal.

Onde está Beatriz Wink? Essa é a pergunta que há oito anos a família faz. Ela saiu com o marido para uma visita ao Santuário Nacional de Aparecida, no interior de SP, no dia 21 de outubro de 2012 e nunca mais foi vista. Mesmo tantos anos depois e sem nenhuma pista, a família não desistiu da busca.

“Ainda fazemos isso por ela. A única coisa válida para nós é que temos que achá-la, não importa quando. Nós não desistimos”, diz João Winck, filho de Beatriz.

O caso emblemático moveu a cidade de Aparecida e foi destaques na mídia à época. No dia 21 de outubro, enquanto o marido, Delmar Winck, fazia compra nas lojas das velas dentro do complexo, a idosa deixou o estabelecimento para esperá-lo do lado de fora. Aquele foi o último momento em que ela foi vista.

O caso foi registrado na Polícia Civil, que chegou a abrir inquérito para apurar o caso. A família saiu do Rio Grande do Sul e passou um tempo em Aparecida entregando panfletos com a imagem de Beatriz em busca de respostas.

Na última quarta-feira (21), exatamente oito anos depois, a imagem do panfleto antigo se mantém atual. “Onde está Beatriz Wink?”. A investigação da polícia ou do detetive particular contratado pela família não trouxeram respostas. Nenhuma pista concreta ou imagem que pudesse levar a qualquer direção.

“A maior angustia é não ter a certeza de nada.Você não sabe se ela está sendo maltratada por alguém, se está em dificuldade. A gente tem como respostas de todos suposições do que pode ter acontecido e são muitas. A pior parte da busca é essa, não saber o que está acontecendo”, conta João.

Mesmo depois de tantos anos, a família ainda mantém a rotina de buscas em Institutos Médicos Legais (IML), hospitais, idas a Aparecida e delegacia. Em janeiro deste ano, João viajou até Aparecida para fazer buscas na cidade pela mãe. “Percorro ruas, falo com as pessoas, tentou saber se mais alguém viu. Não tem um roteiro muito certo”.

A reportagem do G1 consultou a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP) sobre o andamento do caso. De acordo com a pasta, as circunstâncias do desaparecimento foram investigadas e que o caso de Beatriz está ativo no Banco de Dados de Pessoas Desaparecidas.

“O Distrito Policial de Aparecida registrou o boletim de ocorrência em 21/10/2012. Diversas diligências foram empreendidas pela equipe do DHPP para a localização da vítima e o inquérito relatado em 27/11/2018. A denúncia do desaparecimento continua ativa no Banco de Dados de Pessoas Desaparecidas, da Prodesp, permanecendo a unidade da especializada atenta a novas informações sobre o caso”.

G1.COM*.

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
ÚLTIMAS EM LIFESTYLE
RARA Gente - A mais tradicional revista de Três Lagoas
Editor responsável:
Ivete Binda Mendonça
agitta@agitta.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2020 - Grupo Agitta de Comunicação.