Lifestyle

Independentes, ligadas na saúde e na beleza

Conheça a nova geração ativa de mulheres com mais de sessenta anos.

Bruna Taiski 
19/07/20 às 14h00

Mais livres, independentes, críticas e vaidosas.... Não espere uma imagem típica da vovó das antigas. Várias pesquisas apresentadas em congressos de cardiologia e de geriatria afirmam que uma pessoa de 60 anos, fisicamente ativa, tem capacidade física próxima de uma pessoa com 20 anos ou até menos.

Além disso, as doenças degenerativas que se manifestam terão um curso menos grave e com maior chance de recuperação do que numa pessoa sedentária. A British Heart Foundation alerta para o fato de que o número de pessoas ativas é muito aquém do esperado: “fazer atividades físicas regulares, seja em que idade for, é benéfico para a saúde de seu coração e isso faz você viver mais tempo”.

Esta geração é a mesma que passou pelas mudanças culturais da segunda metade do século 20 e é mais empoderada. Além da emancipação emocional e financeira, as mulheres acima dos 60 são cada vez mais vaidosas.

Elas se exercitam porque amam esporte e tudo o que ele proporciona: autoestima, empoderamento, saúde, endorfina, resiliência, confiança, criatividade, foco e desafios. O corpo definido é consequência, resultado de uma paixão que não tem nada a ver com padrões de beleza inalcançáveis. Bora conhecê-las?

Maria Sebastiana de Oliveira Fernandes

Força da resiliência

“Superando os sinais do tempo”. É com este lema que Maria Sebastiana de Oliveira Fernandes pratica exercícios diariamente. No período da manhã faz aeróbicos e a tarde musculação com o seu Personal Trainer. Na academia, gasta horas do seu dia esculpindo o corpo torneado que conquistou no auge dos seus 63 anos.

Mãe de Hudson, Liessa e Saulo e avó de Alycia, Maria diz que a idade e a maternidade nunca a impediram de ter uma vida ativa. “Ser mãe nunca foi um empecilho. Sempre busquei alcançar os meus objetivos e sempre trabalhei fora de casa mesmo ainda criança. Para ter a beleza, saúde e bem estar desejável, basta querer e planejar-se!”.

Nos momentos adversos, vemos desabrochar em algumas pessoas um impulso vital que permite a elas sobreviver a todo tipo de dor. Essa força, chamada de resiliência, faz com que não desistamos da luta, até o milagroso momento em que somos transformados por ela. Em 2015, Jamil Fernandes, o seu esposo e companheiro de todas as horas faleceu. Em seguida, vieram a depressão, a síndrome do pânico e ainda o diagnóstico de câncer de mama.

“Com fé em Deus e o apoio dos meus filhos consegui passar por tudo isso”

Resiliente, Maria não se deu por vencida. Logo, viu surgir uma força maior do que a física. “Com fé em Deus e o apoio dos meus filhos consegui passar por tudo isso. Poucos sabem, mas a síndrome do pânico não tem cura. É você lutando com a mente e o seu querer, ela deixa sequelas. Mas eu consigo vence-la quando ela dá sinal para me perturbar”.

Ela realizou todo o tratamento no Hospital do Amor em Barretos e venceu o câncer. Durante uma consulta no final de 2018, o médico que a atendia perguntou se ela gostava de esporte e indicou a musculação, porque via nela a disciplina que o esporte exige.

Maria Oliveira, se matriculou em uma academia e passou a fazer musculação. Em pouco tempo a modalidade tornou-se um fascínio, e em um ano, ela conseguiu reunir todas as condições físicas para participar de eventos profissionais.

A perseverança da três-lagoense é invejável. Ela malha todos os dias, cerca de uma hora e meia, e será a primeira mulher +60 no Brasil a participar de um campeonato oficial, em Campo Grande.

 “Meu conselho para nós mulheres é: não existe idade para começar uma atividade física. Isso é qualidade de vida, bem estar e ganhamos de brinde a estética. Os exercícios que me ajudaram com as enfermidades. Infelizmente ninguém está ileso de passar por isso”.

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
ÚLTIMAS EM LIFESTYLE
RARA Gente - A mais tradicional revista de Três Lagoas
Editor responsável:
Ivete Binda Mendonça
agitta@agitta.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2020 - Grupo Agitta de Comunicação.